MariadoCarmo_IMG_3698 (1)

Maria do Carmo Rosito Gaspar, ainda muito jovem, quando se casou, tinha o desejo de construir uma família sólida, que pudesse oferecer algo para a humanidade. Um desejo que se tornou realidade!

Agora, no final de sua viagem terrena, profunda é a gratidão expressa pelas numerosas mensagens de famílias, jovens, políticos, empresários, pessoas de todo tipo que a encontraram nos 72 anos intensos da sua vida.

Muitos lembram “do seu olhar penetrante, do seu sorriso constante, do seu amor infinito” e afirmam que “ao seu lado ninguém passava em vão, era
impossível não descobrir que o Amor existe. Tem quem a define como “uma
guerreira no amor e na fidelidade a Deus”. E com razão! Maria do Carmo teve 5 filhos e ficou viúva com apenas 30 anos.

Maria do Carmo jovem

A sua vida teve uma virada, encontrando a espiritualidade dos Focolares. Ela atuou nos mais diferentes campos onde o Movimento está presente. Nos últimos anos, em Brasília, aprofundou os contatos com deputados e senadores que fazem da fraternidade o fundamento do seu agir político – Movimento Político pela Unidade (MPPU). Vale a pena parar 3 minutos para ler pelo menos um trecho do que um deles escreveu nesse Natal, lendo a vida dela à luz das palavras do Papa Francisco.

A Maria do Carmo – Natal 2014

Natal é você, quando se dispõe, todos os dias, a renascer e deixar que Deus penetre em sua alma.

É difícil escrever sobre alguém que viveu muito próximo. Assim foi nos últimos anos quando ela veio para o focolare de Brasília e começamos a trabalhar juntos pelas realidades do MPPU e da CIVITAS.

Você é a decoração de Natal, quando suas virtudes são cores que enfeitam sua vida.

As virtudes que já sabíamos que possuía se confirmaram, entre elas a sabedoria de Deus e a inteligência humana que se revelavam na prudência e na tenacidade. O Movimento Político pela Unidade atingiu o seu ápice no Congresso Nacional graças em boa parte à sua forma de conduzir os aspectos práticos e as reflexões partilhadas com Jesus em meio.

A luz de Natal é você quando com uma vida de bondade, paciência, alegria e generosidade consegue ser luz a iluminar o caminho dos outros.

Aprendemos a nos comunicar melhor. Ela com a delicadeza de sempre perguntava ao outro o que achava ou como estava? É a delicadeza do amor que por ser amor deixa espaço para o outro manifestar-se. Então também nas mensagens pelo email ou nas conversas do dia a dia sempre vinha a sugestão por parte dela: que tal ouvirmos aquele político ou mais alguém da comissão nacional do MPPU sobre determinado assunto. Tudo era dessa forma partilhado, mesmo quando a certeza já havia dominado nosso modo de pensar. Parecia até perda de tempo, mas essa sua persistência em ouvir os outros nos ensinou muito e muitas vezes permitia que as atitudes tomassem outro rumo.

Você é o anjo do Natal quando consegue entoar e cantar sua mensagem de paz, justiça e de amor.

Pensar em todos talvez seja típico da mãe que cuidou de cinco filhos pequeninos e de certa forma sozinha. Daí sua capacidade de agregar, de pensar nos detalhes, de nunca esquecer de oferecer um lanchinho que sempre levava na bolsa, ou de nos perceber cansados nas andanças pelo Congresso e maternalmente sugerir que voltássemos para o focolare. É típico o cuidar de forma zelosa também dos políticos. Não deixava de visitar um e outro e mesmo assessores quando por alguma razão descobria uma forma de chegar até eles: o aniversário, o próprio Natal, o agradecimento por alguma mensagem.

Você é o sino de Natal, quando chama, congrega, reúne.

Um episódio singular: uma vez andando pelos corredores do Congresso, encontramos um parlamentar já não muito jovem. Ela percebendo algo que não ia bem, resolve perguntar sobre o que estava acontecendo. Este senhor simplesmente arranjou um lugar para sentar junto com ela e desabafou, contando para ela coisas muito pessoais de suas dificuldades também políticas. Ficamos boquiabertos de como ela havia quase que ouvir uma confissão. Perguntamos, como ela conseguiu isso? Ela de forma muito simples respondeu, que era Jesus em meio e que algo chamou a atenção naquele nosso amigo do MPPU, que antes de político, mostrou se um ser humano.

O presente de Natal é você, quando consegue comportar-se como verdadeiro amigo e irmão de qualquer ser humano.

Mas o que encantávamos era a sua harmonia interior, sua segurança em avaliar as circunstancias e com tranquilidade emitir uma opinião equilibrada sempre considerando as nuances de cada aspecto. Era gostoso conversar com ela pela inteligência natural enriquecida pela experiência. Aproveitávamos sempre para falar dos filhos, de algum aspecto mesmo da vida de focolare. Transmitia a segurança que o Ideal escavou em sua alma, profundamente.

O pinheiro de Natal é você, quando com sua força, resiste aos ventos e dificuldades da vida.

Quando seu neto faleceu de forma trágica, imaginávamos que voltaria melancólica, sofrida, com alguma dor não resolvida. Não, nada mudou apenas a sabedoria de reconhecer que o plano de Deus é maior que tudo.

A música de Natal é você, quando consegue também sua harmonia interior.

Difícil dizer se ela possuía alguma ideologia política arraigada pois nunca se mostrou partidária. Os fatos políticos repercutiam em sua alma, pois sua vida era encarnada, mas isso nunca a fez progredir para uma crítica ou um desânimo. Ponderávamos apenas a oportunidade de descobrir caminhos para que o MPPU não se estagnasse diante das barreiras que apareciam. Sua preocupação era levar as pessoas para o encontro da fraternidade.

A estrela-guia do Natal é você, quando consegue levar alguém, ao encontro do Senhor.

Uma palavra sobre as Escolas Civitas. Creio que nesse aspecto, sem muitas palavras, ela manifestou com toda a força, sua habilidade geradora de vida. Os cursos tiveram várias dificuldades, creio que à semelhança das crianças pequenas com uma infinidade de probleminhas de saúde. Ainda que nada grave acontecesse, as dificuldades eram contínuas. Ela não ficava em paz enquanto não mobilizasse a generosidade das pessoas. Como uma mãe que enquanto não vê a sua criatura salva e curada não permite que as coisas se acomodem. Era assim a sua força.

Você será os “votos de Feliz Natal” quando perdoar, restabelecendo de novo, a paz, mesmo a custo de seu próprio sacrifício.

Onde está o segredo desse Natal que viveu em vida. Nunca disse, mas transmitia com a vida que o seu segredo era o coração. Lugar reservado ao seu Senhor. Fidelíssima ao encontro com Jesus Eucaristia. Podíamos estar cheios de trabalhos e de coisas interessantes para fazer pelo bem das pessoas, da política, e até inebriados pela atmosfera que Jesus construía em torno das nossas caminhadas; mas chegava a hora de encontrar Jesus na Eucaristia, parávamos tudo e corríamos para a Igreja mais próxima.

Você é a noite de Natal quando consciente, humilde, longe de ruídos e de grandes celebrações, em silêncio recebe o Salvador do Mundo.

Confira a matéria sobre Maria do Carmo Gaspar no site do MPPU


Compartilhe no

Facebook WhatsApp

Regolamento (500)