“Pois tive fome e me destes de comer, fui estrangeiro e vós me acolhestes”

 

“Pois tive fome e me destes de comer, tive sede e me destes de beber; fui estrangeiro e vós me acolhestes…(Mateus 25:35).”

A Maria Eneide nos conta essa experiência concreta de vivência do Evangelho.

“Sou Maria Eneide, paulista de Itapetininga/SP, participo do Movimento dos Focolares desde 1985, quando entendi o quanto a unidade entre os povos, independente de raça, credo ou cor são valiosas em meu viver.

Desde de 2000, esta frase acima citada do Evangelho de Mateus, tem um peso muito grande em minha vida, pois, hoje moro em Goiânia, sendo assim, migrante em minha própria terra.

Com formação em Administração de Empresas, aqui iniciei minhas atividades profissionais como consultora, instrutora de cursos, treinamentos, palestras e orientações empresariais, as quais faço com muita dedicação e amor, por gostar muito do que realizo.

No ano de 2016, para responder ao apelo do Papa Francisco em relação aos refugiados, o Movimento dos Focolares procurou Arquidiocese de Goiânia. A responsável pela Pastoral do Migrante nos relatou sobre a experiência com vários imigrantes, dentre eles, nossos irmãos haitianos, que deixando seu país de origem, por conta de inúmeras realidades, estavam passando por diversas dificuldades. Também fomos convidados a participar de uma reunião de um grupo inter-religioso.

Na data marcada, convidei uma de minhas amigas, também consultora, que imediatamente se prontificou.

Fomos muito bem recebidas pelo pastor Dorval e sua esposa Lucia, haitianos metodistas que acompanham os participantes de sua igreja local, no setor Expansul, localizado em Aparecida de Goiânia, cidade vizinha à Goiânia.

Fomos percebendo a grande necessidade dos haitianos: alimentos, roupas, moradia, transporte, estudo, enfim, começamos a nos preocupar e a buscar uma forma de suprir suas necessidades básicas. Mobilizávamos muitos amigos que, imediatamente, correspondiam.

Além do alimento, formação

Numa tarde, em minha casa, juntamente com outras amigas, colocamos toda a situação dos haitianos. Juntas entendemos que, além de alimentos, roupas, moradia, também era importante dar formação e instrução para eles.

O grupo inter-religioso, foi se fortalecendo e hoje é composto de Metodistas, Evangélicos, Católicos, Espíritas, Ortodoxos etc., com os quais uma vez por mês, nos encontramos para decidir sobre novas ações. Numa das reuniões propusemos aos participantes, construir um projeto que contemplasse orientações específicas aos haitianos, referente à vida profissional no Brasil. O grupo imediatamente acolheu a ideia.

Surgiu então o Projeto: “Preparando-se para o Mercado de Trabalho”, no qual elencamos uma gama de temas necessários a formação: comunicação, marketing pessoal, ética e postura profissional, trabalho em equipe, atendimento, vendas, negociação, empreendedorismo, associativismo.

Em fevereiro de 2017, iniciamos as atividades com dois núcleos de haitianos, em bairros distintos de Goiânia, fizemos um cronograma e assim, todos os domingos, temos um tema que é trabalhado, em dois momentos, um na Igreja do setor Expansul e outro no setor Jardim Guanabara, tendo sempre de 70 a 80 participantes em cada um deles.

Como o local onde eles se reúnem frequentemente é a igreja metodista, o pastor entendeu que ali poderia ao final de cada culto, realizar de trinta a cinquenta minutos de palestras.

Como somos várias profissionais: administradoras, psicólogas, advogadas, professoras, temos colocado nossas competências a serviço dos mesmos, também de outras formas. As vezes eles se sentem perdidos e precisam conversar e buscar orientações e aí paramos nossas atividades, para simplesmente ouvi-los e orientá-los.

Temos constatado o quanto tem sido precioso esse momento, porque trazemos aos nossos irmãos haitianos a dignidade, a valorização, o aumento da auto estima e também pelo fato de possibilitar várias pessoas, amigos e consultores a participarem com empenho e dedicação, de uma ação voluntária humanitária, pois em cada temática um desses voluntários participa com sua competência e expertise.

O grupo inter-religioso está neste período programando o I Encontro Goiano de Imigrantes, onde pretendemos reunir não só haitianos, mas africanos, sírios e outros imigrantes.

Muitas vezes quando nos mobilizamos para arrecadar alimentos, roupas ou suprir outras necessidades para os imigrantes, por várias vezes ouvimos: “mas porque para os imigrantes, já que temos tantos necessitados no Brasil?”

E por que não? respondemos, já que o próprio Jesus nos disse: “Estava nu e me destes de vestir, era estrangeiro e me acolhestes…”

Regolamento (500)