Compartilhar alegrias e dores

 

A consciência de que somos membros da única família humana nos dá a sensibilidade de ver cada pessoa como um irmão ou irmã. A consciência de que somos filhos de um único Pai leva-nos a partilhar a nossa vida com todos, pois o bem-estar do outro me diz respeito e vice-versa. Partilhar as suas alegrias e as suas dores, viver com ele a sua vida, tendo o coração aberto para que o outro também possa viver a nossa vida. Esse modo de partilhar é uma verdadeira comunhão. Olhando-nos assim unidos, Deus vem habitar entre nós. A dor torna-se mais suportável quando compartilhada e a alegria torna-se mais intensa porque se multiplica nos corações.

Apolonio Carvalho Nascimento

Regolamento (500)