Arquitetos e engenheiros fazem a diferença em Vargem Grande Paulista

 

Um grupo de arquitetos e engenheiros de Vargem Grande Paulista não imaginava que uma ação pelo bem público da cidade os levaria a experiências tão concretas de transformação e atuação cidadã durante os dois anos seguintes.

É esta a história que queremos contar a vocês.

Tudo começou no período eleitoral de 2016, quando a Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Vargem Grande Paulista, da qual fazem parte alguns membros do Movimento dos Focolares, foi convidada a organizar um debate público entre os candidatos a prefeito.

Juntos, decidiram ao invés, convidar profissionais da área técnica da cidade para ouvir deles sugestões quanto à ação do poder público na gestão das áreas públicas. E convidar para esse evento os candidatos.

E assim aconteceu. Cidadãos, candidatos, assessores e profissionais deram suas sugestões e a partir dali, o grupo de engenheiros e arquitetos elaborou um documento, uma espécie de carta compromisso, que depois foi assinada por todos os candidatos a prefeito e vereadores como forma de considerarem as propostas durante suas gestões.

A partir daí, os relacionamentos se estreitaram entre este grupo de profissionais. Realizaram juntos o primeiro encontro no Brasil pela rede “Diálogos em Arquitetura” e trabalham em projetos conjuntos como o estudo de ocupação do Polo Spartaco; regularização de lotes; o projeto de uma praça e área de lazer públicos dentro da Mariápolis.

Um novo desafio em 2018

Novamente por ocasião das eleições neste ano, o grupo quis se mobilizar pelo bem comum e desta vez teve a ideia de iniciar uma reflexão com a participação das escolas, mais especificamente com os alunos abaixo de 16 anos.

A primeira escola a ser procurada foi uma gerida por um membro do Movimento dos Focolares. Ele aceitou de prontidão, mas também compartilhou suas dificuldades e que naquele dia mesmo havia pensado em pedir exoneração por conta de diversas situações como drogas, violência, prostituição, além da desmotivação de professores e funcionários.

O grupo de engenheiros, arquitetos e políticos logo se prontificou a realizar uma reunião para escutar esse diretor e entender como colaborar.

Duas arquitetas se dispuseram a pensar em uma proposta e tiveram a ideia de fazer um mural de grafite no extenso muro externo da escola. Mas o projeto cresceu e além do mural, surgiu a ideia do plantio de árvores, instalações de bancos e lixeiras, etc.

O interesse pelo projeto começou a crescer. Na primeira reunião havia somente o diretor, depois funcionários e professores e depois o grêmio estudantil e uma boa representação de alunos!

Os trabalhos nos murais já estão programados com a participação de alguns grafiteiros e professores, que ajudarão a desenvolver temas ligados a paz, ecologia, ao aniversário de 60 anos da escola, etc.

Além disso, um educador da Mariápolis está preparando palestras motivacionais para professores e funcionários da escola. Também será feito um workshop com o grupo artístico da Casa do Menor.

Por fim, o grupo também está trabalhando no enriquecimento de uma área verde e na implantação de uma praça num bairro do Município.

Em breve cenas dos próximos capítulos dessa experiência incrível que tem buscado realizar aquele “assim na terra como no céu” na cidade de Vargem Grande Paulista.


Compartilhe no

Facebook WhatsApp

Regolamento (500)