Amemo-nos uns aos outros de coração sincero

 

A sinceridade que a frase nos pede não é tanto relacionada a um sentimento, mas ao desejo sincero de servir a todos, sem distinção.
Devemos ter sempre diante de nós o exemplo de Jesus. Ele serviu a todos: doentes que buscavam a saúde, pecadores que encontraram Nele a misericórdia, famintos que receberam alimento material e espiritual. Por fim, serviu assumindo a nossa culpa e morrendo por cada um de nós.
Um serviço sincero, sem interesses, sem pretensões, sem esperar nada em troca.
Um serviço sincero que gera reciprocidade, princípio da maior revolução que o mundo já conheceu: a revolução do amor.
Essa revolução muda o mundo a partir de cada um de nós. Por isso é potente e transformadora.
Apesar de nossos limites, de nossos pecados, ainda somos capazes de amar-nos de coração sincero porque: “Onde abundou o pecado, superabundou a graça.” (Rm 5,20)

Apolonio Carvalho Nascimento


Compartilhe no

Facebook WhatsApp

Regolamento (500)